ATRATIVOS

LUGARES ESPECIAIS, EXPERIÊNCIAS ÚNICAS

Protegendo riquezas espeleológicas e arqueológicas de importância internacional, visitar o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu é mergulhar na história da ocupação humana na região, através dos sítios arqueológicos com pinturas rupestres, cavernas espetaculares e uma paisagem surpreendente, em que os biomas Cerrado e Caatinga se encontram!

O Parque Nacional Cavernas do Peruaçu é uma unidade de conservação federal, gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio.

Foi criado pelo Decreto Federal de 21 de setembro de 1999, em uma área de 56.449 hectares, com o objetivo de proteger o patrimônio geológico, arqueológico, as paisagens, os recursos hídricos, a faunae a flora e demais atributos naturais da região.

Localizado na região norte do estado de Minas Gerais, abrange os municípios de Januária, Itacarambi e São João das Missões.

CAMINHOS QUE REVELAM OS TESOUROS PROTEGIDOS PELO PARQUE

Trilha do Arco do André

– Distância aproximada: 8 km (ida e volta);

– Tempo estimado: 7h (ida e volta).

– Nível de dificuldade: semipesado.

– Atrativos: caverna, monumentos geológicos, sítios arqueológicos e observação da paisagem.

Caminho da Gruta do Janelão

– Distância: 4,8 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 5h30 (ida e volta).

– Nível de dificuldade: semipesado.

– Atrativos: caverna, monumentos geológicos, paredões com pinturas rupestres, sítios arqueológicos e observação da paisagem.

Caminho da Lapa Bonita e Lapa do Índio

– Distância: 1,5 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 2h20min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: leve

Caminho da Lapa dos Desenhos

– Distância: 2.6 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 2h20 min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: leve.

– Atrativos: paredões com pinturas rupestres,
mata de galeria e mata seca.

Caminho da Lapa do Boquête

– Distância: 1.2 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 1h30 min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: leve

– Atrativos: lapas, pinturas rupestres,
escavações arqueológicas e observação da paisagem.

Caminho da Lapa do Rezar

– Distância: 2.4 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 3h30min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: pesado.

– Atrativos: história regional, mata seca, mata de galeria, sítio arqueológico, paredões com pinturas rupestres, caverna escura e espeleotemas.

Caminhos da Lapa do Caboclo

– Distância: 2,6 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 3h50 min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: moderado.

– Atrativos: história regional,
paredões com pinturas rupestres e gruta.

Caminhos da Lapa do Carlúcio

– Distância: 2,6 km (ida e volta).

– Tempo estimado: 3h50 min (ida e volta).

– Nível de dificuldade: moderado.

– Atrativos: história regional, paredões com pinturas rupestres e gruta.

FAUNA

A abundância de algumas espécies da fauna na região sugere que alguns ambientes foram capazes de manter o equilíbrio ecológico ao longo dos anos, mesmo com alguns impactos causados pelo homem. Foram registradas mais de 50 espécies de mamíferos na área do Parque, podendo ser encontradas espécies de médio e grande porte, como tatus, veados e queixadas. Há uma grande abundância de roedores, em especial os mocós, que habitam áreas rochosas e entradas das cavernas.

O Parque é também um paraíso para os observadores de pássaros, já tendo sido identificadas 367 espécies de aves na área. Algumas endêmicas (só encontradas aqui) ou ameaçadas de extinção, como o Cara Dourada, o Arapuçu do São Francisco, o Bacurau do São Francisco, o Tico-Tico do Mato e a Maria Preta do Nordeste. Algumas trilhas são ideais para observação de aves durante todo o ano.

FLORA

A diversidade vegetal existente no Vale do Peruaçu, bem como sua inserção geográfica nos biomas Cerrado e Caatinga, torna esta região de grande importância para a conservação.

A flora regional é completamente influenciada pelo clima, pelas formações do relevo e pela disponibilidade de água. Assim, formações de mata de galeria e veredas convivem com caatinga, mata seca e vegetação rupestre. A mata seca mostra toda sua exuberância nos longos períodos de estiagem, quando a vegetação perde praticamente todas as suas folhas e na época chuvosa, quando novamente reaparece o verde na paisagem. Além disso, as formações rochosas possibilitam o crescimento de espécies xerófitas, como cactos, bromélias e barrigudas.

A riqueza e diversidade de espécies vegetais também pode ser sentida nos diferentes sabores, como nos frutos das árvores de umbu, da pitomba e do pequi, que são iguarias típicas da região.

GEOLOGIA

Evidências geológicas indicam queo Vale do Peruaçu era banhado pelo mar e que suas rochas se formaram a cerca de 650 milhões de anos. A formaçãodo vale está associada ao abatimento de antigas galerias subterrâneas, que formaram um cânion vertical com mais de 200 metros de desnível. O patrimônio de cavernas existente no Parque é um dos mais importantes do Brasil e do mundo, sendo conhecidas mais de 180 cavidades naturais. Dentre as principais cavernas do Parque Nacional, destaca-se a gruta do Janelão, que apresenta altura e larguras que atingem maisde 100 m em sua galeria principal. Ao longo do seu conduto, várias clarabóias iluminam extensos trechos da caverna, o que possibilitouo crescimento de diversas formações vegetais.

ARQUEOLOGIA

Uma das principais riquezas do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu são seus sítios arqueológicos, com a presença de arte rupestre, instrumentos de rocha e escavações onde foram encontrados até sepultamentos! A arte rupestre se destaca devido à uma grande quantidade de pinturas e gravuras que representam o cotidiano dos seus antigos moradores. Entre as pinturas rupestres, aquelas encontradas na Gruta do Caboclo são exclusivas da região do Peruaçu.

Outro destaque também é o grande paredão de arte rupestre da Lapa dos Desenhos, com mais de três mil figuras representadas, das mais variadas cores e formas.